<$BlogRSDUrl$>

segunda-feira, Junho 7

Escrevo em Hebraico


Salman Masalha, poeta árabe israelita contemporâneo. Foto de Ariel JerozolimskiEscrevo em hebraico,
que não é a minha língua materna,
para me perder no mundo. Aquele que
não se perde, nunca encontrará o todo.
Porque todos têm os mesmos dedos dos pés.
O dedo grande da esquerda
perto do calcanhar direito.

Às vezes escrevo em hebraico
para arrefecer o sangue que brota
incessantemente do meu coração.
Sempre foi assim.
Há muitos tesouros
no cofre que construí no meu peito.
Mas as cores da noite embutida
nas paredes expostas, escorrem
sem nunca saber o que é
toda esta maravilha.

E escrevo em hebraico, para
me perder nas minhas palavras
e para encontrar interesse
nos meus passos.
Não parei de andar. Muito caminhos
se viajaram. Gravados pelas minhas mãos.
Porei os pés ao caminho
e encontrarei muita gente. E todos serão
meus amigos. Quem é estrangeiro?
Quem está perto, quem está longe?
Não há estranheza nas coisas do mundo.
Porque a estranheza, muitas vezes,
Descansa no coração dos homens.

Salman Masalha, poeta árabe israelita contemporâneo.

A LER: Salman Masalha: Biography / Salman Masalha interview – Israeli Arab Intellectual and Poet on Illiteracy in the Arab World.